Estes artigos têm como finalidade conceituar e explicar as formas mais usuais de determinar o custo de um produto, levando-se em conta os componentes que o determinam e de que maneira eles devem ser considerados.

É utilizado o método do valor atual para se traduzirem as diferenças de valor da moeda no tempo em função do instante em que são realizados os pagamentos e recebimentos. Levam-se também em conta os impostos incidentes tanto na compra quanto na venda, compensando as diferentes datas de recolhimento.

Para tornar a leitura aprazível e de fácil assimilação os artigos serão divididos em partes menores. Neste primeiro vamos fazer uma revisão no conceito da análise de custos com foco no desconto comercial.

1-Análise de Custos

No processo de compra e venda de produtos em que o varejo encontra-se envolvido e que se constitui no principal objeto de sua atividade, vários fatores relativos a custos estão presentes.

Isto quer dizer que, além do preço  do produto adquirido, outras variáveis estarão associadas a este custo e, como tal, terão que ser levados em conta na hora se se apurar o quanto custou efetivamente certo produto, de modo a permitir que haja posteriormente fixação adequada do preço de venda.

Não se quer aqui postular a fixação financeira do preço, uma vez que é sabido que este será determinado pelos consumidores no mercado no exercício de escolha do produto no PDV (Ponto de Venda). A finalidade dessa análise é de fato dotar o varejista de instrumentos que lhe permitam quantificar seus futuros resultados a determinado preço, ou mesmo auxiliar na determinação do ponto de equilíbrio da loja.

Os principais fatores que afetam os custos no varejo, além do preço fixado pelo fornecedor, serão relacionados a cada artigo publicado, portanto, fique atento. Vale lembrar que o próprio custo do fornecedor apresenta-se com valores diferentes em função do prazo de pagamento concedido. Dois produtos que tenham preços semelhantes, mas que apresentem prazos de pagamentos diferentes terão impactos distintos em termos de custo, em virtude da época em que será realizado o desembolso para pagamento. Esse efeito será tanto maior quanto maior for a taxa de inflação ou o custo de oportunidade do período.

1.1 Desconto Comercial

Trata-se de uma concessão dada pelo vendedor ao comprador, em virtude de vários fatores, tais como: fidelidade, volume de compras, frequência de compras, entre outros. Tem como principal característica o fato de que seu montante é previamente conhecido, o que permite o registro contábil e os cálculos de custos, partindo-se do valor ou preço líquido. Geralmente, não são condicionados, ou seja, uma vez concedidos, valerão para aquela transação.

Exemplo de desconto comercial

Fornecedor (A) 10% de desconto
Fornecedor (B) 5% + 5% de desconto
Fornecedor (A) Custo de tabela 240,00 100%
(-) Desconto comercial (24,00) 10%
(-) Custo líquido 216,00 90%
Fornecedor (B) Custo de tabela 240,00 100%
(-) Desconto comercial (12,00) 5%
(-) Custo líquido parcial 228,00 95%
(-) Desconto comercial (11,40) 5%
(-) Custo líquido parcial 216,60 90,25%

Pelos exemplos apresentados, pode-se perceber que os custos de tabela em ambos os casos, embora iguais, repercutem de forma diversa no custo final do produto por conta do desconto comercial concedido. vale observar também que a forma como os descontos  com foram aplicados produz resultados diferentes com vantagem para a primeira alternativa.

Destaca-se ainda que no CS-iCORP Cloud fazemos os dois tratamentos de descontos comerciais mencionados no exemplo acima, dependendo de como eles vem estampados nas notas fiscais de compras dos fornecedores, proporcionando ao varejista ter um custo inicialmente bem assertivo.

No próximo artigo trataremos das bonificações em produtos.

Referência: ANGELO, C.F.; SILVEIRA, J.A.G (Coord.). Finanças no Varejo – Gestão Operacional, Editora Atlas